artigo06

6 Motivos da Importância da Escrita Cursiva para a Formação da Criança

No mundo digital, com crescente integração de dispositivos eletrônicos em nossas atividades diárias, as crianças ainda precisam aprender a escrever à mão no formato cursivo?

Nos últimos anos, o hábito de escrita tem sido objeto de uma mudança drástica: a escrita digital associada ao uso de computadores, tablets e smartphones têm substituído a escrita à mão.

Apesar da tendência atual de desvalorização da escrita à mão, como uma habilidade não mais necessária na Era Digital, muitas pesquisas recentes apontam para a importância da escrita à mão no desenvolvimento de diversas habilidades nas crianças.

Escrever à mão é importante não apenas para produção de letras bonitas. Durante esse exercício, usamos áreas motoras do nosso cérebro, como área de planejamento e controle motor, áreas perceptivas visuais e áreas associadas com o processamento da linguagem. Tudo trabalhando em conjunto.

Pesquisas comprovam os benefícios neurológicos e cognitivos da escrita manual na educação de crianças, quando comparada à digitação em um teclado.

O debate se limita ao tipo de letra manual a ser ensinado – se de fôrma (letra bastão) ou cursiva, e se o ensino desta última ainda se justificaria, tendo em vista que exames como o Enem, dentre outros, já aceitam a escrita de fôrma.

Veja alguns motivos para se manter o aprendizado da escrita cursiva:

A escrita cursiva ajuda a conectar os pensamentos

A escrita cursiva favorece a concentração, o foco, e auxilia na produção de textos mais coesos. Estudos mostram que redações escritas com letra cursiva tendem a obter notas maiores do que as escritas com letra bastão. Embora isso não signifique que uma pessoa que prefira a letra de fôrma não possa produzir textos coesos, a maior eficiência proporcionada pela letra cursiva é, sem dúvida, um ponto a seu favor.

A escrita cursiva favorece uma velocidade à escrita

As constantes paradas da letra de fôrma seriam responsáveis por torná-la mais lenta. Especialistas estimam que, enquanto um estudante é capaz de anotar 100 palavras legíveis por minuto para acompanhar uma aula típica de universidade, um aluno escrevendo com letra de fôrma consegue registrar apenas 30 palavras.

A escrita cursiva é um componente importante no desenvolvimento de uma escrita pessoal

Mesmo os defensores da extinção do ensino da letra cursiva admitem que os escritores mais hábeis se valem de uma escrita híbrida, em que algumas letras são unidas e outras são separadas. Ou seja, a cursiva é um componente no desenvolvimento de uma escrita pessoal. Eliminá-la seria empobrecer esse processo, limitando as ferramentas expressivas do indivíduo.

O aprendizado da escrita cursiva contribui para a auto-estima da criança

O processo de dominar a escrita cursiva envolve imitação de modelos, repetição e persistência. A criança que, gradualmente, conquista a destreza necessária para dominar a escrita cursiva experimenta uma sensação de capacidade, de ter passado a um outro nível. Essa é uma constatação que dispensa pesquisas científicas: crianças com “letra bonita” tendem a se orgulhar dessa habilidade, o que tem um impacto positivo em sua auto-estima.

O aprendizado da escrita cursiva desenvolve a coordenação motora

O traçado da escrita cursiva recruta habilidades sensoriais, noções de orientação espacial, ajuda a criança a “adestrar” a mão para a execução dos movimentos corretos etc.

A familiaridade com a escrita cursiva facilita a compreensão de textos escritos em letra cursiva

Muitos originais de documentos, manuscritos de obras literárias e cartas que compõem nosso acervo histórico-cultural foram escritos em letra cursiva. Não aprendê-la representaria um obstáculo à compreensão desses importantes documentos. Evidentemente, a perda de uma habilidade, dificultando o acesso a obras de cultura, não pode ser considerada um “avanço” da educação.

Existem, portanto, bons motivos para que o ensino da escrita cursiva não seja abandonado.

Por Priscila Cima.


Priscila Cima

Fonoaudióloga com mais de 25 anos de atuação em Fonoaudiologia Escolar e diretora da Clínica Integrada Fonoaprendizagem.

Meu interesse pela Educação e pelos Processos de Aprendizagem iniciou-se bem antes da Graduação. Atuei por 12 anos como professora do Ensino Fundamental. Neste longo período, pude compreender os limites, necessidades e possibilidades de intervenção com as crianças no árduo dia a dia da sala de aula. A experiência no âmbito escolar, somada a Graduação em Fonoaudiologia, aos Cursos de Pós Graduação, Aprofundamento e Especializações nas áreas da Linguagem Oral e Escrita são os norteadores de todas as minhas intervenções.